Solidariedade com os estivadores de Gotemburgo

Os estivadores de Gotemburgo, o maior porto de contentores na Escandinávia, estão hoje em greve em luta pela defesa dos seus postos de trabalho, contra as práticas anti-sindicais e pelo modelo de negociação colectiva que tem vindo a ser posto em causa. Este vídeo, na primeira pessoa e com legendas em inglês, deixa claro quais as razões que mobilizam os estivadores desta cidade sueca. We Will Never Walk Alone!

A new strike on Tuesday the 24th of January will once again shut down the biggest container port in Scandinavia. But what is the dispute at APM Terminals in Gothenburg, Sweden, actually about? This short film tells the story from the inside. You may need to activate captions to see subtitles in English.

Estivadores organizam-se em Sindicato Nacional

350px-1971-strike-hook-image

O dia de Natal teve lugar no dia 30 de Dezembro. Já atravessámos quadras festivas tristes com a comunicação patronal do despedimento de estivadores ou com a lamentável ocorrência de acidentes mortais. Mas, no dia 30, foram assinados 23 contratos sem termo pelos estivadores precários que trabalhavam há quase 9 anos no porto de Lisboa, tendo sido “dispensados” por 2 vezes, e que ganharam finalmente o direito a uma relação laboral estável. No Natal de dia 30 nasceram condições para 23 famílias olharem com mais optimismo o futuro, resultado do Acordo assinado a 27 de Maio – com a participação do IDC e do seu líder Jordi – no final de um longo processo de luta que integrou estivadores profissionais e estivadores precários, todos candidatos a igual estatuto profissional e ao direito a uma vida com qualidade.

Hoje é dia de Ano Novo para os estivadores. Hoje, 9 de Janeiro, foram publicados os novos Estatutos deste Sindicato*, que alarga a sua esfera de representação para o âmbito geográfico nacional, Açores e Madeira incluídos. Estão criadas as condições para os estivadores subirem a um patamar de representação igual ou superior ao dos grupos económicos portuários que dominam o País. Poderemos assim lutar, com armas mais equilibradas e a nível nacional, pela melhoria das condições miseráveis de trabalho de alguns estivadores e pelo aniquilamento da precariedade que alastrou de forma selvagem pelos portos, para devolver a quem trabalha as condições de desenvolvimento social e humano que todos ambicionam e merecem.

Um bom Ano de 2017 para todos!

* Nota: no BTE publicado hoje consta a data de 8 de Janeiro porque, a partir deste ano de 2017, a edição/publicação online dos BTE’s – que sempre tiveram data de 8, 15, 22 ou 29 – passa para o dia útil seguinte sempre que essa data coincidir com um sábado, domingo ou feriado. (consultar aqui).

Portuguese Dockworkers organize in National Union

Christmas Day took place on December 30. We have already lived sad festive holidays with the employer’s communication of the dismissal of dockworkers or with the unfortunate occurrence of fatal accidents. But on last December 30th, 23 permanent contracts were signed by the precarious dockworkers who had worked for almost 9 years in the port of Lisbon, having been “discharged” twice, and that finally gained the right to a stable employment condition. At our December 30th Christmas, 23 families could look more brightly to the future, because of the agreement signed on 27 May – with the involvement of IDC and its leadership Jordi – at the end of a long struggle process involving professional dockworkers and precarious dockworkers, all candidates for equal professional status and the right to a life of quality.

Today is New Year’s Day for dockworkers. Today, January 9th, the new Statutes of this Union* were published, which extends its sphere of representation to the national geographic scope, including Azores and Madeira islands. Conditions have been created for dockworkers to rise to an equal or greater level of representation than that of the port economic groups that dominate the country. We can thus fight, with more balanced weapons and at national level, to improve the miserable working conditions of some dockworkers and for the annihilation of precariousness that has wildly spread throughout the ports, to give back to those who work the conditions of social and human development that all desire and deserve.

A good 2017 Year for everyone!

Resoluções da 7ª Assembleia Geral do IDC

Reportagem fotográfica na página oficial do IDC

No final do passado mês de Setembro teve lugar em Miami a 7ª Assembleia Geral do International Dockworkers Council (IDC), da qual saíram quatro resoluções fundamentais, votadas por unanimidade, para acção imediata no próximo período.

Além das acções de luta concretas que decorrem em vários países, às quais as plataformas continentais do IDC darão resposta, a 7ª Assembleia Geral do IDC votou quatro resoluções centrais, fruto do debate e das preocupações levantadas pelos vários sindicatos espalhados pelo mundo.

Assim, começou por se votar uma resolução de rejeição ao impeachment de Dilma Rousseff como Presidente do Brasil. Proposta pela Zona Latino-Americana, a Assembleia Geral do IDC votou a sua rejeição ao impeachment de Dilma Rousseff como Presidente do Brasil, processo golpista que ignorou a vontade do povo brasileiro e sua Constituição, levando a cabo um golpe de Estado mitigado, parte da ofensiva imperialista das classes dominantes contra os trabalhadores. O compromisso do IDC e a sua solidariedade com a luta da classe trabalhadora saiu reforçada, em defesa do povo brasileiro, dos estivadores que trabalham no Brasil e, de um modo geral, da democracia.

Votou-se também uma resolução relativa à perseguição dos negros nos EUA. Este documento defendeu que uma injúria a um é uma injúria a todos, e que o lema “todas as vidas importam”, só faz sentido “quando todas as vidas negras importarem”. A resolução, votada num contexto complexo nos EUA, onde a população negra é vítima das mais variadas injustiças, desde logo na sua remuneração laboral, reafirma o compromisso do IDC com os trabalhadores norte-americanos, com destaque para os estivadores que, na costa Este e Oeste, têm levado a cabo um papel exemplar no combate ao racismo e à xenofobia.

Relativamente às questões mais específicas da estiva, foi votada uma resolução que alerta para os perigos da automação, sobretudo quando esta mais não se tem revelado do que um pretexto para precarizar e degradar a relação entre patrões e trabalhadores. Nada temos contra a tecnologia, defendemos que ela deve ser usada em beneficio da eficácia do trabalho e da segurança e dignidade dos trabalhadores, mas o IDC está vigilante sempre que a automação se confirme como um eufemismo para despedimentos ou para a desvalorização do trabalho portuário.

Foi ainda votada uma última resolução que defende o alargamento da influência do IDC, por diversas vias. Seja a captação de mais sindicatos e sócios, seja a aposta numa comunicação pública mais eficaz, seja o reforço da estrutura do secretariado do IDC ou o reforço da sua capacidade financeira, várias foram as medidas que visam aumentar a capacidade de resposta do IDC, ferramenta fundamental para a defesa da estiva.

We Will Never Walk Alone!

Solução contra a Precariedade? Um estivador em cada empresa!

João Miguel Tavares e Ricardo Araújo Pereira, no “Governo Sombra”, deixam perceber a imagem de marca dos estivadores. É com orgulho que a nossa profissão e a actividade sindical do nosso sindicato, sejam vistos como um travão à precariedade e aos sistemáticos abusos das entidades patronais. Todos por Todos! We Will Never Walk Alone!

7 de Julho | Dia de Acção Global em Retrospectiva

poster-A2-IDC-global-action-PRINT-ENG-400px

Clique aqui para ver galeria de fotografias feitas um pouco por todo o mundo, no decorrer no Dia de Acção Global do passado dia 7 de Julho. 

O Sindicato dos Estivadores participou do Dia de Acção Global que teve lugar no passado dia 7 de Julho, e constituiu a primeira tentativa na história do movimento operário de organizar um dia de luta em todo o mundo, em defesa da dignidade dos postos de trabalho. No balanço deste dia, além das imagens que ilustram um pouco do que foi o Dia de Acção Global, destacamos também as palavras dos Coordenadores Europeu e Mundial do IDC, respectivamente Anthony Tétard e Jordi Aragunde, dedicadas a todos os que se envolveram nesta jornada.

“Como Coordenador Geral do IDC, gostaria de estender o meu profundo agradecimento a todos os que tornaram o Dia de Ação Global de 07 de julho de 2016, num dia verdadeiramente histórico. Às centenas de milhares de trabalhadores portuários de todo o mundo, dizer que a sua participação neste dia demonstrou que os trabalhadores portuários estão preparados para enfrentar os desafios do futuro, e continuam a ser uma força para continuar a ser levada em consideração. O futuro, é o nosso futuro. (…) O Dia de Acção Global foi uma vitória significativa para trabalhadores portuários e constitui uma prova da força da nossa organização: Sindicatos e trabalhadores em todo o mundo uniram forças e unificaram-se pela defesa intransigente dos nossos direitos. Esta mensagem alcançou empregadores e governos, e no caso de eles tinham quaisquer dúvidas, agora eles podem estar certos de que os trabalhadores portuários estão prontos para ripostar sempre que os seus direitos forem atacados. (…) Nós nunca nos vamos render. Nunca mais caminharemos sozinhos outra vez. Com solidariedade”

Carta integral de Jordi Aragunde, Cordenador Geral do IDC, pode ser lida aqui.

“Como Coordenador Europeu do IDC, gostaria de agradecer a todos que se empenharam em mobilizar os seus sindicatos e a encorajar os trabalhadores europeus para aderir ao Dia de Acção Global do passado dia 7 de Julho. No geral, o Dia de Acção Global foi um sucesso, uma vez que foi possível mobilizar trabalhadores um pouco por todo o mundo, um marco no movimento operário, e isso é uma vitória de todos nós. (…) Obrigado irmãos e irmãs, temos a certeza que não voltaremos a caminhar sozinhos.”

Carta integral de Anthony Tétard, Cordenador Europeu do IDC, pode ser lida aqui

Dia de Protesto Mundial pelos Estivadores – Uma hora de luta, em todo o mundo, pelos direitos dos trabalhadores!

O IDC e a ITF vão parar uma hora numa jornada global de luta contra a precariedade e pela dignidade do trabalho portuário. No próximo dia 7: #DefendDockersRights!

Clicar aqui para ler, guardar e imprimir o panfleto informativo em PDF


Pela primeira vez na história as duas organizações mundiais de trabalhadores portuários uniram-se para que, em todo o mundo, se realize uma hora de luta contra a precariedade e pelos direitos dos estivadores.

O IDC e a ITF convocaram todos os trabalhadores do sector para uma hora de paragem naquela que será uma jornada global de luta contra a precariedade e pela dignidade do trabalho portuário. Sob o lema “Defender os Direitos dos Estivadores”, o Dia de Acção Global é uma oportunidade para os trabalhadores portuários lutarem para a melhoria da saúde e segurança no local de trabalho, o fim da desregulamentação do sector, exigir o respeito pelos direitos de negociação e contratação colectiva, etc. A jornada de luta coloca também em cima da mesa as preocupações com processos de automação em terminais e o seu impacto nos trabalhadores.

No próximo dia 7, entre 8 e as 9 am de cada um dos países, os trabalhadores estarão parados e durante esse período levarão a cabo diferentes iniciativas de consciencialização e solidariedade.

#DefendDockersRights!

 

Contrato Colectivo de Trabalho, ratificado em plenário de estivadores, é fruto de longo processo de luta

13413778_10210502677273026_5936500554229701939_n

Culminando um longo processo que se estendeu por um período superior a três anos, os estivadores de Lisboa ratificaram hoje um Contrato Colectivo de Trabalho (CCT) para o porto de Lisboa, assinado pelos parceiros sociais do sector no passado dia 27 de Junho, o qual vigorará, no mínimo, por um prazo de seis anos.
Foi a 18 de Março de 2013 que as Associações Patronais de Lisboa denunciaram o CCT em vigor na perspectiva de conseguirem assinar um novo CCT em linha com a Lei do Trabalho Portuário que tinha entrado em vigor no mês anterior, com a intenção de desregular e precarizar totalmente a actividade laboral nos portos portugueses.
Na sequência do Acordo assinado no passado dia 27 de Maio, o CCT hoje ratificado pelas bases dos estivadores termina um ciclo de celebração de compromissos que permitirão ao porto de Lisboa desenvolver a sua actividade comercial a caminho da operacionalidade e do crescimento que todos desejamos.
Através dos compromissos alcançados, foi possível assegurar, no curto e médio prazo, uma diminuição drástica da precariedade de longa duração que, paulatinamente, se vinha instalando no porto de Lisboa, a qual, esperamos, esteja totalmente eliminada no decurso dos próximos dois anos, assim se cumpram integralmente os compromissos assumidos que passam pela integração com vínculo permanente das actuais cinco dezenas de estivadores precários.
Como elemento essencial neste processo de recuperação da normalidade de funcionamento do porto de Lisboa, foi ainda possível travar a intenção patronal de proliferação de empresas de trabalho portuário (ETP) alternativas, através do bloqueamento do projecto Porlis, o qual não tinha outro objectivo que não fosse colocar em causa o modelo laboral existente, para assim conduzir à insolvência a actual ETP e lançando no desemprego ou na precariedade de condições laborais indignas todo o colectivo de estivadores deste porto.
Continuaremos atentos ao cumprimento dos compromissos assumidos no sentido de evitar a contínua tentativa de descaracterização das diversas profissões de estivador, processo já iniciado pela Lei de Trabalho Portuário ainda em vigor, a qual veio ainda introduzir condições de maior precariedade nos portos nacionais do aquelas que alastram pelos diferentes sectores da sociedade, algo que os estivadores portugueses não estão dispostos a aceitar.

Comunicado de Imprensa também em PDF.